skip to Main Content
9.9975.9108 3466.5531 espacobambui@gmail.com R. Brasil 680, Canoas RS Facebook
Nutrição Funcional: Entenda Das Características De Alimentos Prebióticos E Próbióticos

Nutrição funcional: entenda das características de alimentos prebióticos e próbióticos

A nutrição e a medicina têm se ligado, surgindo assim o conceito de alimentos funcionais. A nutrição continua tendo o seu papel que seria fornecer nutriente, mas a descoberta de que certos alimentos possuem princípios ativos capazes de reduzir o risco de doenças faz com que esta ciência se associe à medicina. Assim a nutrição funcional ganha destaque na preservação da saúde.

O estado nutricional de populações vivendo em países industrialmente desenvolvidos, pode ser mostrado pelas tendências desfavoráveis como o excessivo consumo de gorduras, principalmente as saturadas, excessivo consumo de açúcar e sal e, ainda, diminuição considerável do consumo de amido e fibras dietéticas.

Essa tendência indica um déficit do consumo de ácidos graxos poliinsaturados, proteínas de alto valor biológico, vitaminas, cálcio, ferro, iodo, flúor, selênio e zinco. Este estado nutricional carente tem originado elevadas incidências de doenças crônicas degenerativas.

Há fortes evidências do papel da dieta em melhorar a performance mental e física, retardar o processo de envelhecimento, auxiliar na perda de peso, na resistência às doenças (melhora sistema imune), entre outros. Para a maioria dos pesquisadores, a única saída para alterar essa realidade é o aumento do consumo de grãos, frutas e vegetais, fazendo com que a população mude seus hábitos alimentares e siga o que Hipócrates pregava: “Faça do alimento seu medicamento”.

Entre os alimentos funcionais mais pesquisados hoje, destaca-se a soja, o tomate, os peixes e óleos de peixes, linhaça, as crucíferas (brócolis, couve de Bruxelas, repolho, entre outros), o alho e a cebola, as frutas cítricas, o chá verde, as uvas/ vinho tinto, os cereais como a aveia, os prebióticos e os probióticos, entre tantos outros. São alimentos que além de nutrir possuem componentes ativos que atuam sobre o organismo produzindo efeitos metabólicos e/ ou fisiológicos e/ ou benéficos sobre a saúde.

Alimentos Funcionais – Probióticos e Prebióticos:

Os probióticos e prebióticos são classificados como alimentos funcionais.

Características dos Prebióticos

A inulina e os frutooligosacárideos (FOS) ou oligofrutoses são oligossacarídeos resistentes, isto é, carboidratos complexos de configuração molecular que os torna resistentes à ação hidrolítica da enzima salivar e intestinal fazendo com que esses atinjam o cólon com produção de efeitos benéficos sobre a microflora colônica. A inulina e os FOS são considerados fibras alimentares.

A inulina é um polímero de glicose extraído da raiz da Chicórea ou produzida industrialmente à partir da sacarose. Os FOS são obtidos à partir da hidrólise da inulina pela enzima inulase. Industrialmente os FOS são produzidos à partir da sacarose por atuação da enzima frutosiltransferase, enzima fúngica obtida do Aspergillus niger.

São considerados alimentos prebióticos, por desempenharem funções fisiológicas no organismo, como: alteração do trânsito intestinal com efeito de redução de metabólicos tóxicos, prevenção de diarréia ou da obstipação intestinal por alteração da microflora colônica, redução do risco de desenvolvimento de câncer (experimentalmente); redução do colesterol plasmático e da hipetrigliceridemia, controle da pressão arterial, produção de nutrientes e aumento da biodisponibilidade de minerais.

Para o alimento ser classificado como prebiótico, existem alguns critérios:

  • Não devem sofrer hidrólise ou absorção no intestino delgado;
  • Atingindo o cólon o prebiótico deve ser metabolizado seletivamente por uma ou número limitado de bactérias benéficas;
  • Deve ser capaz de alterar a microflora colônica para uma microflora bacteriana saudável;
  • Deve ser capaz de induzir efeito fisiológico que seja importante para a saúde.

A eficiência dos prebióticos depende da população bacteriana presente no cólon a qual varia de indivíduo para indivíduo. A inulina e os FOS apresentam efeito bifidogênico isto é, estimulam o crescimento intestinal das bifidobactérias. As bifidobactérias por efeito antagonista suprimem a atividade de outras bactérias putrefativas: Escherichia coli; Streptococos faecales; Proteus e outros.

Essas bactérias putrefativas com suas enzimas podem levar à formação de substâncias tóxicas (amônia, amina) e substâncias que podem provocar o câncer como as nitrosaminas, estrogênios, ácidos biliares secundários, fenóis e cresóis.

O valor calórico estimado para estes complexos de fibra é de 1,5Kcal/g. Dentro os alimentos em que os FOS estão presentes temos a cebola (alimento rico); alho; tomate; aspargos; alcachofra; banana; cevada; centeio; aveia; trigo; mel e cerveja.

Características dos Probióticos

O termo probiótico é definido como “organismos vivos que quando ingeridos em determinado número exercem efeitos benéficos para saúde”.

Como função funcional benéfica no organismo os probióticos tem efeito sobre o equilíbrio bacteriano intestinal, controle do colesterol e de diarreias e redução do risco de câncer.

O meio de atuação dos probióticos no organismo se refere principalmente à inibição que estes exercem na colonização do intestino por bactérias patogênicas. Os mecanismos (efeitos fisiológicos) através dos quais os probióticos reduzem as bactérias patogênicas seriam:

  • Produção de substâncias bactericidas (inibindo as bactérias intestinais indesejáveis);
  • Disputa por nutrientes;
  • Alteração do metabolismo microbiano;
  • Adesão à mucosa e multiplicação (capacidade de adesão nas vilosidades intestinais, competindo e inibindo a fixação de patogênicos – não ocorre com todos os probióticos, somente para o Lactobacilos Plantarum 299);
  • Ativação da imunidade humoral e celular (os Lactobacilos acidófilo, bulgárico e casei parecem aumentar a atividade fagocitária, a síntese de imunoglobulinas (IgA) e ativação dos linfócitos T e B);
  • Aumento da digestibilidade da lactose (os Lactobacilos produzem a enzima beta galactosidase que facilita a digestão da lactose).

Dentre os probióticos mais importantes citamos: Lactobacilos acidófilos, casei, bulgárico, lactis, plantarum; Estreptococo termófilo; Enterococus faecium e faecalis; Bifidobactéria bifudus, longus e infantis. Os probióticos devem apresentar algumas características específicas:

  • Serem habitantes normais do intestino;
  • Reproduzirem-se rapidamente;
  • Produzirem substâncias antimicrobianas;
  • Resistirem ao tempo entre fabricação, comercialização e ingestão do produto devendo atingir o intestino ainda vivos.

Os probióticos podem ser componentes de alimentos industrializados (leites fermentados) ou podem ser encontrados em cápsulas.

A manutenção do equilíbrio da flora intestinal é de suma importância. Nesse sentido a alimentação assume papel influente através da ingestão de alimentos que proporcionam o desenvolvimento no intestino de bactérias saudáveis e morte das indesejáveis.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Back To Top